9.1.08

Outra vez a lei do tabaco



V - "Estou mesmo a ver... Se as coisas continuam assim, para o ano somos obrigados a ir ao ginásio e a beber sumos naturais de frutas!" - a bufar, devido à falta de nicotina.

C- "E vestidos com fato de treino, não é V.?" - a V. odeia fatos de treino.

V - "Não! Os nossos políticos são novos, são modernos. É com lycra!" - e começa a esbracejar, imitando uma aula de fitness no meio da loja.


3 comentários:

Hydrargirum disse...

A cena teve mta graça!!!!....e eu ia-me rir imenso antes de atirar com um ananás às meninas!!!

(com todo o respeito claro!:)

Ninguém obrigou as meninas a deixar de fumar....certo???

Teve-se a decência de proibir as meninas de fumar ou pé de quem não fuma, o que é diferente!!!

Eu com este assunto vou logo aos arames, tu já percebeste Celeste:)
Não é por mais nada, é só pq toda a minha vida fumei passivamente!

Tu queres ver que tenho de alugar um carro com altifalante e apregoar pelo credo a minha posição???

Quem é a V?...manda-ma cá que eu falo com ela!lol

Jinhos:)

Paula disse...

De lycra?
Não!
Daqueles fatos-de-treino 100% algodão, que são mais higiénicos e transpiráveis!
Agora com a ASAE...
Mas agora a sério, entendo que as pessoas se chateiem por não poderem fumar em determinados sítios mas, quem não fuma (como é o meu caso)porque não quer ou porque não pode, não é obrigado a levar com o fumo dos outros,enquanto está a comer ou a trabalhar, não é verdade?
Acho que o ideal, era criarem-se espaços para os 2.
Mas sabes que no nosso país, que é tão rico e onde temos uns governantes tão mãos-largas, as salas de fumo são mandar dinheiro para a rua. E quem fuma, que vá lá para fora.
Bjs!

Celeste disse...

Ora a V. é uma amiga de uma amiga, gaja do norte criada numa família de esquerda. Estão a ver o pêlo na venta? :D

No sítio onde ela trabalha, não podem saír da loja (aquela que dizem ser o supermercado da cultura) excepto à hora da refeição. Ou seja, impossível fumar no recinto do shopping, e logo nas salas de staff. É possível pausa para comer, mas não para fumar.

Acontece que a V. já tentou deixar de fumar, já foi ao médico para consegui-lo, e o sr. acabou por dizer-lhe que era muito díficil, uma vez que os testes revelaram que ela tinha 96% de dependência da nicotina. Enfim, neste nível é uma doença.

Agorem podem imaginar como anda a alminha... a trabalhar com uma cara de quem está perto da morte, e cheia de mau humor.

Reafirmo que a mim, pessoalmente, não me faz diferença, só não gosto de proibições e pronto. Mas para pessoas como a V. deviam ter sido pensadas alternativas, ou quê?

Num país onde o estado paga seringas aos outros toxicodependentes, AGORA bem podiam financiar os pensos de nicotina a esta gente.

Tenho dito, ramada curta :D

Beiji***