19.9.08

Porque os sentimentos são cool!

Uma das coisas que aprecio é dizer às pessoas as suas qualidades. Que isto não pode ser só apontar defeitos, devemos também fazer-lhes notar as suas características positivas ou reconhecer os seus esforços nesse sentido. Em psicologia chama-se reforço positivo e faz maravilhas pela auto-estima. Além disso, é simpático e contribui para a construção de laços emocionais entre as pessoas. E tão preciosos que são...


Pessoalmente, faço questão de fazê-lo sempre que tenho motivos sinceros para tal.

Ainda mais importante para mim é dizer às pessoas que amo exactamente isso... que as amo. Dizer-lhes que gosto delas, o quanto me fazem sentir melhor pessoa por conhecê-las, as alegrias que me dão e a felicidade que me transmitem. E quem diz "dizer", diz também demonstrar-lhes o nosso afecto com carinho, com preocupação, com acções, com empatia, com abraços. Com amor, porque não há que ter medo da palavra.

Embora nem sempre seja fácil pôr o coração nas mãos (ou na boca!), é bem mais difícil encarar as palavras que ficaram por dizer quando, eventualmente, já não temos essa oportunidade.

Nota de Redacção: Depois de um post sobre os nossos deputados, posso ser um bocadinho lamechas sem correr os risco de fazer disto a Oprah.

17.9.08

Reabertura do ano parlamentar

Os senhores deputados regressam hoje a S. Bento, parece que para discutir a tal lei do divórcio.
Acabaram-se as férias? Óoooh... tadinhos...


... de nós!

16.9.08

Para isto...


Imagem rapinada daqui

Só tenho uma expressão: pornografia moral.

Ou será prostituição da intimidade?

Vergonhoso...

13.9.08

Olhá a votação ----------------------------->


Falando em bipolaridade, podem fazer-me o favor de votar ali nas músicas de Bipolar antes que acabe o prazo? Vá lá pessoal!

A música electrónica é muito vasta, como tendes visto aqui no estaminé, e na minha opinião o futuro passa pela sua fusão com outras sonoridades mais tradicionais. Consegue-se perceber quando tem qualidade... da mesma forma que sabemos se alguém canta afinado ou não.

Apesar de pouco convencionais (ou comerciais), eu gosto da maioria das suas produções. Ele tem talento, sentido de rítmo e muita sensibilidade, precisando apenas de levar a coisa a sério, de aprofundar (eventualmente) algumas técnicas para ser mesmo excelente. Julgo que está ao seu alcance.

Mas como é um habitante do meu coração (e logo de uma suite!), é natural que perca objectividade na minha análise. Por isso votem, digam de vossa justiça! E qualquer opinião é válida, ok?




Obrigada pessoal, sois uns fixes!


Nota de Redacção: E não, não é mesmo bipolar. Graças a Deus...
Mas se fosse também não era o fim do Mundo.

12.9.08

Ai se fosse comigo... se eu fosse poiarense (?)


A iniciativa UPA, em prol da integração dos indivíduos com doenças mentais (não se pega e a maioria tem intervenção terapêutica eficaz, ok?), da associação Encontrarse, é louvável e plenamente justificada. Além disso, as músicas do projecto são, na generalidade, de boa qualidade. Mas, ó meus amigos...

"Agora somos todos bipolares. Mas ninguém sabe o que isso é em Poiares."


Está doidinho ou quê, ó Ti Rui? Sabe a quantidade de psicólogos que há em Portugal? E quantos colegas de Poiares tive na faculdade, hein?! (Um, pelo menos... ora!)

Que mania pá!!! Pffff E doenças mentais? Queres ver que também é só no Porto e em Lisboa, queres ver...

Nota de Redacção: O homê tem uma taxa de empáfia que faz favor...

11.9.08

Dúvida supééé-existencial


Há pouco passei a tv pela Sic e estava a dar uma tourada da Caras, em directo do Campo Pequeno. E fiquei a magicar com os meus botões... Mas que raio faziam as vacas sentadadinhas na bancada, hein?

E já agora, embora respeite as pessoas que estavam sentadas ao pé delas, o que eu acho das touradas é isto:


Nota de Redacção: Desculpa lá, ó Ju...

Parabéns querido bró!


De pirralho mexilhão com pilhas duracel a adolescente metalo-sorumbático, o meu maninho passou por várias fases. Cresceu e evoluiu, sendo hoje alguém que respeito. E respeito-o principalmente por ser uma pessoa capaz de se pôr em causa e querer melhorar.

Como tem muitas qualidades (ouviste, ó carago?!), acredito que irá tornar-se um homem de virtude e carácter. Força bró, estarei sempre do teu lado. E parabéns pelo teu 24º aniversário!

Nota de Redacção: Estás velho caraças! :)

10.9.08

Voltas e voltas


De modos que a vida é assim, tal e qual. Voltas e reviravoltas, aprendizagens e auto-conhecimento. Sou uma crente na arte de nos irmos confrontando connosco mesmos, convivendo alegremente com o nosso diálogo interno, que aos poucos vai deixa de ser incómodo. Traz-nos maturidade e (alguma) tranquilidade. E inferioriza os medos... coitados!

E, além do mais, tudo vale a pena se a alma não é pequena. E a idade não é (demasiado) grande.

Nota de Redacção: Então porque raio é que eu continuo a sentir este apertozinho?

8.9.08

A conversa do lugar!


Quando eu era novinha, assim mesmo no início da adolescência, a minha avó e a minha mãe falavam muitas vezes na virtude de se "saber ocupar o lugar".

Bla, bla, bla, mas "tu vê lá, menina! É muito feio uma pessoa não saber ocupar o seu lugar, ouviste?"
"Ai mas que chatas, que aborrecidas!- pensava a jovem Celeste- e também que estupidez! Como se fosse possível não ocuparmos o nosso lugar... só se fossemos o homem-invísivel. Então se estavamos no nosso corpo?! Adultos, tss, tss!


Anos e anos depois, acho que entendo perfeitamente ao que se referiam...

4.9.08

Lei n.º 57/2008 de 4 de Setembro


Ou a instituição da Ordem dos Psicólogos, por publicação em Diário da República.

Eu acho bem, assim na generalidade. Há muito que se impunha uma entidade que regulamentasse e garantisse a qualidade do nosso desempenho profissional, de forma a credibilizar a classe, que neste aspecto anda pela hora da morte. Aliás, eu própria não confio nela, para ser sincera. Ou seja, já era tempo de pôr ordem na taberna!

Mas estou confusa... pagar cotas mensais ainda vai, mas virem-me agora exigir, a mim, que já fiz estágio curricular e profissional, além de possuir (felizmente!) alguma experiência, um outro estágio profissional de 12 meses?! Deve ser em formato de seminário, e estão certamente com a mania das grandezas. Porque senão, quero saber quem me sustenta entretanto... Freud ou o futuro bastonário?

3.9.08

A filósofa

A minha semana iniciou-se com o regresso ao trabalho... e com um momento luminoso proporcionado por uma mini-filósofa, daquelas de mão-cheia. Para contrabalancear.


Dirigia-me eu para a porta de um shopping lá da cidade para almoçar junk food israelita, quando me cruzo com uma menina pela mão do seu pai. A garotinha teria uns 6 ou 7 anos, um sorriso radioso e uma caixa pequena da Pizza Hut na outra mão. Quem me conhece sabe que eu acho possível perceber (sentir, vá!) se a criança é feliz pelos seus olhos. E esta era, radiosa... então com uma pizza na mão, só lhe faltava levitar! O pai também tinha boa pinta, descontraído e sorridente.

Quando nos estavamos quase a cruzar, heis que a criancinha se sai com a seguinte afirmação:
"Mas nós somos donos da nossa vida, é ou não é pai? Então podemos fazer tudo o que quisermos."

A sua convicção foi tanta que eu e pai sorrimos imediatamente, trocando olhares cúmplices. Ai a inocência, meu Deus! Tão acertado mas igualmente tão errónio. Que dissonância... e que caraças, também!

Ainda ouvi o pai nas minhas costas "Não é bem assim, também existem os outros, blé, blá, blá...", mas a convicção desta pequena pensadora, tão alegre e cheia de confiança , juntamente com o sol que brilhava iluminando-lhe a face sorridente, fizeram o meu dia.

Nota de redacção: Só faltavam as bolinhas de sabão de mil reflexos para dar ambiente...

De regresso ao Credo


E ainda por cima está frio aqui... pffff!

Só para animar mais um bocadinho, à minha espera estava também uma carta dos borucratas do IEFP (finalmente!). A solicitar sabem o quê? Sabem, sabem?! Isso mesmo, mais papeís!

A modos que é assim a vidita, pronto.

Nota de Redacção: Bem, ao menos a veia criativa vem renovada... vamos ver se não congela de frio... ou de tédio.