29.12.09

E pronto, se não vos vir até lá


Desejo-vos boas entradas, com muita alegria e no meio de pessoas queridas. Amor, amizade, saúde, dinheiro, e tudo, e tudo!

Para mim, pelo menos, é um ano relativamente ao qual tenho muitas expectativas, tanto a nível pessoal como profissional. Se 2008 e 2009 foram bons (thank you very much!), este espero que seja a cereja no topo do meu bolo.

Viva 2010!

Então sendo assim, diverti-vos pessoal, muita energia e pensamentos positivos!

Celeste, a traumatizada


Programa da manhã da TVI (que cá no Credo são só 4 canais!). Uma espécie de tertúlia rosa. Discutia-se o caso da moça que tentou agarrar o Bento XVI e as falhas na segurança das figuras de estado. Veio à baila um episódio com o Obama (não sabia de nada, férias são férias!) e relembrou-se a tentativa de homicídio de João Paulo II. Aí a Lilicas histrionicizou..

- Já viu Manel, que mundo é este? Que mundo é este em que o homem que tentou matar o papa está agora aí, em liberdade? - Indigna-se e esganiça-se a senhora.

- Ai e tal, mas foi o próprio papa que o perdoou. - Lá lhe diz um da Câmara Pereira, despachado. E ele que até é gente que aprecia reis, papas e cardeais.

- Mas tentar matar o papa? E está em liberdade, por aí? Já viu que mundo este? - Senil, volta ao ataque...

- Mas olhe que ele cumpriu a pena! - Argumenta impaciente o Goucha, como quem diz "ai cala-te lá mulher que temos que avançar o programa!".

- Mas o homem tentou matar o papa. E está solto! - Hã!???

Porra pá, ca burra!

E tenho a dizer que adoro estes católicos capazes da graça do perdão e da compaixão. E cultos, ainda por riba.

Nota de Redacção: Pá, não fiquei mesmo, mesmo traumatizada, era para dramatizar. Mais irritada com tanta estupidez. A foto é daqui, e leiam que parece que a católica também traficou armas. Diz ela.

27.12.09

Parabéns a você


O meu amigo Lolas é uma pessoa muito especial. Foi alguém que me ensinou coisas fantásticas numa fase da vida (e numa cidade) em que já pouco tinha a aprender com colegas de trabalho. Ou eu assim pensava. Enganei-me.

O que me ensinou ele? Fundamentalmente a força do espírito, a resiliência, o instinto de sobrevivência. E a importância de relativizar os pseudo-dramas da vida.

Além desta grande força de viver, o Lolas é muito divertido, assim de ir às lágrimas! Tem um sentido de humor apuradíssimo, por vezes corrosivo e nem sempre politicamente correcto, mas tudo se releva perante a genialidade.

É também de uma pessoa muito sui generis na sua constelação de interesses, o que o torna ainda mais cativante. Ao mesmo tempo que escreve para revistas de inspiração artística vanguardista é o rei das toalhas e do marketing numa multinacional de fitness, e ao mesmo tempo que adora decoração, também se empaturra no McDonald's e alinha em orgias consumistas. Gosta de viver a vida, e é simplesmente isso. Aceita-a e aproveita ao máximo o que esta lhe dá. Como a história dos limões e da limonada, mas personificada e perfeitamente empírica. Tem uma saudável flexibilidade mental e uma criatividade imensa, e isso ajuda a saber viver.

Além do resto, é um excelente amigo, preocupado, atento. Daquelas histórias em que a esta espécie de amor chamada amizade permanece apesar da distância, das falhas na rede de telemóvel, das coisas e coisinhas quotidianas. Apesar do comodismo que se instala vergonhosamente nas nossas vidinhas.

Parabéns amigo Lolas! Abracinho forte...

25.12.09

E no Natal, cá no Credo...



Há um igualzinho a este. Só falta mesmo a neve!

Os gatos são muito engraçados (adoro!) e o livro com as magníficas ilustrações de Simon Tofield dava um bom presente de Natal.

Anyone?

Nota de Redacção: Continuação de bom Natal.

24.12.09

E tenham então um feliz Natal


Com muito amor, harmonia e saúde, que isto é como dizem os mais velhos, sem ela nada.

E já agora cheio de prendinhas, se possível...

23.12.09

Ooops...


Imagem daqui
É pá, já vos aconteceu receberem sms's de Natal de números que não conhecem? E que, apesar de assinadas, os nomes continuam a não acender nenhuma luzinha?

É que não faço a mínima...

17.12.09

Oh happy day!


Imagem daqui
Ando muito cansada e logo sem grande vontade de botar faladura aqui, mas a ocasião merece carago! Que eu escreva, e que escreva bem.

Fui criada numa terra do interior, no centro norte do país (o famoso CREDO!) e, logicamente, com toda a panóplia de valores culturais inerentes, incluindo os católicos apostólicos romanos . Quando fui estudar para a "minha" cidade, já adolescente, levei um choque daqueles. Não tecnológico, mas quase tão espectacular! O cigarro de enrolar era droga, as pessoas não eram todas sérias e os betos é que eram mesmo boa gente. Ora, f@2i-me!

E não é que as coisas - e as pessoas, my favorites! - não eram o que eu pensava?! E os pais do meu melhor amigo, que por acaso era tudo menos beto, eram comunistas? Oh crise existencial, ai, ai, ai, o que é que faço? Cresci, ora pois, que eu cá não sou pessoa de me fechar. E muito menos ao meu pensamento.

E assim começou o meu percurso no maravilhoso universo das motivações humanas, dos afectos, da tolerância. Por este caminho sigo, e daqui ninguém me tira. Bem... só mesmo o mau carácter é que ainda... coiso. Bah...

Os homossexuais, gays, whatever o nome técnico, pessoas com uma ligeira diferença na sua intimidade, cruzaram pela minha vida algures nesse percurso, mas depois dos comunistas, da malta dos palop, das pessoas com psicopatologias e dos toxicodependentes (se é que há diferença!). E foi na altura certa.

Tenho aqui a confessar que, antigamente, lá no século passado e nos verdes anos, me afligia um bocado a ideia de me apaixonar por um rapazinho e depois ele ser gay e não gostar de mim. Ainda mais eu, que gostava deles sensíveis... Claro que iria arrasar a minha frágil auto-estima, a mim que era romântica. M-e-d-o!

Anyway, como fui observando pessoas e desenvolvendo sempre a minha capacidade de empatisar com o outro, chegou um belo dia que eu própria desenvolvi a (tal!) capacidade de perceber quando um homem, ou até uma mulher, é gay! Tss, tss, fácil, fácil. Foi logo após conhecer bem a sexualidade e os homens, os heterossexuais. Se não olhava para mim com "aqueles" olhos, havia uma certa probabilidade de não gostar do produto. (Sim, eu era um belo espécime, e ainda sou, ora!)

Pronto, problema resolvido! E quando conheci amigos homossexuais achei-os pessoas fantásticas, super-divertidos e muito boas companhias para ir às compras e falar da vida. Não falam de motas e de futebol, caneco! E com a vantagem da amizade não ter intenções subliminares.

E pronto, adoro-os. Não a todos, claro, que também os haverá de carácter duvidoso com toda a certeza, mas no geral é gente bem divertida e emocionalmente consistente, pelas situações difíceis que tiveram de enfrentar e ultrapassar.

Relativamente ao medo que motivava o meu desconforto (no milénio passado!) era tudo bem escusadinho se a sociedade fosse diferente e todos pudessem assumir as suas preferências desde sempre, de forma natural.

Hoje foi o início desse caminho. Parabéns a todos os que esperavam este momento para oficializar os seus afectos! Parabéns aos outros, que ainda o procuram mas que já podem sonhar com um dia assim. E parabéns aos portugueses que, como eu, fizeram um upgrad cultural e civilizacional.


Parabéns pessoal!!! E depois quero um convite pró copo de água, não esquecer...

PS: E, dos gajos sensíveis, ainda sobram para mim os artistas e os cientistas sonhadores!

16.12.09

O melhor amigo da mulher


Pelo menos nos dias que correm!

O meu chama-se Micas, é de placa cerâmica e supostamente de baixo consumo (vou ver no fim do mês!). Tem rodinhas e, com uma mega-extensão que tenho cá em casa, vai comigo para todo o lado: cozinha, casinha, quarto, sala, etc, etc. Torna-se até giro de manhã, o corropio do pobre Micas!

É o meu novo bichinho de estimação.

Brrrr...

Here's a question...


Será que este tempinho vai ajudar nas negociações da Cimeira de Copenhaga?