22.3.08

Às vezes é chato, mas...

O meu pai é um óptimo pai, sempre foi.

Quando eu era muito pequena, aguardava ansiosamente que ele chegasse a casa para me sentar ao seu colo e jantar outra vez, só pela companhia... e pela atenção.

Lembro-me também de uma boneca de trapos que, numa viagem ao Porto, comprou com o dinheiro que a companhia de seguros lhe tinha dado para o almoço. E de um balão enorme, brilhante e colorido, que colocou no meu quarto durante a noite, e perante o qual exclamei estupfacta "um pavão!!!", ao acordar de manhã.

Pronto, o meu pai é um bocado fascizóide e tal, acha que no tempo do Salazar é que era, que as discotecas são a perdição da juventude e nunca me deixou tratá-lo por tu.

Mas está sempre lá para me ajudar e, se dependesse dele, nada, mas absolutamente nada me faltaria nesta vida. E mesmo que essa não seja a atitude educativa mais correcta, não posso deixar de amá-lo por isso.

5 comentários:

Hydrargirum disse...

Ai....eu devia fazer minhas as tuas palavras....
Aiiii...Aiiiii...Aiiiiii...

E faço...pronto e tal...há que reconhecer!:)

Xuac:)

Fases como a Lua disse...

O Ti'Jo�o � um bem disposto, como tu! ;)

RockyBalbino disse...

Raios! Entrou-me uma poeira para o olho... (glup)

Celeste disse...

Hydramix,
E fazes, concerteza... não te esqueças do título. ;)

Beiji*** grande!


Mix,
Tem dias, tem dias... tal como eu. :D

Beiji***



Rocky,
:)Pá... coiso! Sacode... ;)

Abração brotha

Esoj Odnuges disse...

Pai é pai, o resto é conversa.